“Aprendendo com as crianças” por @Gabriel_Chalita, no jornal “Diário de SPaulo”

7b3fa6bb39fdf905dbfaf8d43cbd23ab[1]Erra quem imagina que uma criança é uma tábula rasa ou um depositório de verdades construídas pelos adultos. Erra quem julga que uma criança pouco entende. E erra, mais ainda, quem pensa que uma criança nada tem para ensinar.

A criança recebe dos adultos uma série de informações, por isso os afetos, a atenção, os estímulos são tão importantes. Entretanto, esse fluxo de informações vai ganhando significado, a partir das reações que as crianças vão tendo com o mundo.

Um vídeo, publicado no Youtube há alguns meses, já chegou a mais de 3 milhões de visualizações e exemplifica, com propriedade, esse conceito. O garotinho Luiz Antônio, de apenas 4 anos, diz à mãe que não quer que matem os animais. Que precisamos protegê-los. A conversa começa de forma simples, com a mãe falando sobre o nhoque, o arroz e o polvo. A criança quer saber se o polvo que está em seu prato morreu. O vídeo é muito singelo e significativo.

Sem entrar em detalhes sobre a crueldade contra os animais, há algo profundamente relevante que nos deve servir de ensinamento. Por que, com o tempo, vamos perdendo a sensibilidade da infância, vamos perdendo a capacidade de indignação diante do erro, vamos nos acostumando com o malfeito?

Se não tivermos sensibilidade com os animais, não teremos com os nossos irmãos. E é isso o que vem acontecendo. As misérias humanas não nos surpreendem mais. Acostumamo-nos com a maldade, com a mentira, com a injustiça, o que é triste e demonstra que estamos negando nossa própria essência.

Valores como generosidade, companheirismo, respeito e compaixão é que nos trazem a felicidade. Por que falamos tão pouco sobre eles? Por que nos vestimos de arrogância e saímos a julgar os outros ou, simplesmente, a desprezar aqueles que não nos interessam?

Voltemos à criança. À beleza de ter um mundo de esperança. De confiar. De revelar os sentimentos. De chorar e rir sem o incômodo das máscaras.

Acerta quem quer permanecer com os bons sentimentos de uma criança. Que a inocência, apesar das dores e dos anos vividos, não nos abandone.

Por Gabriel Chalita (fonte: Diário de S. Paulo) | Data: 14/2/2014
http://chalita.com.br/index.php/o-escritor/textos/item/1803-aprendendo-com-as-crian%C3%A7as.html

Por Profª Cristiana de Barcellos Passinato

“Racionais e irracionais” de @Gabriel_Chalita

7b3fa6bb39fdf905dbfaf8d43cbd23ab[1]Desde cedo, estuda-se, na escola, que o ser humano é um animal racional, porque dotado de razão, porque capaz de fazer escolhas que vão além dos instintos. Já os animais são limitados, sob esses aspectos. Acontece que algumas cenas nos fazem refletir sobre a realidade dessas afirmações.

Recentemente, a mídia mostrou uma mulher “jogando fora” um cachorro. A expressão é dolorosa, mas é exatamente esta: “jogando fora” um cachorro de dentro do carro, em uma rua movimentada, debaixo de chuva.

A mulher, animal racional, abriu a porta do carro e jogou o cachorro. O cachorro, animal irracional, por nutrir sentimento pela sua dona, correu, desesperadamente, atrás do carro, tentando voltar, imaginando que, talvez, tivesse sido um engano o que sua dona tinha feito. Afinal, ela é humana, tem sentimentos, não faria isso. Fez.

O cachorro poderia ter sido atropelado. Havia muitos carros. Mas uma outra mulher, vendo o desespero do animalzinho, conseguiu salvá-lo. O carinho dessa mulher, também racional, minimiza essa história que poderia ter tido um final ainda mais trágico.

Essa atitude desumana provocou uma comoção geral nas pessoas que clamam pela imposição de uma pena à ex-dona do animal que, inclusive, ao ser questionada, disse que poderia ter matado o animal e o atirado em um córrego, mas preferiu abandoná-lo na rua.

Fico tentando imaginar as razões de alguém jogar um cachorro fora. Talvez ela não tivesse mais condições de cuidar do seu animal. Por que não deu para alguém? Por que não entregou para alguma entidade para adoção? Mas abandoná-lo daquela forma, no meio do trânsito, não tem justificativa. Aliás, não é a primeira vez que crueldades contra os animais são reveladas pela mídia. Triste. Um ser humano que não tem sensibilidade com os animais também não tem com outros seres humanos iguais a ele.

Vale a reflexão de Guimarães Rosa: “Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?”

Por Gabriel Chalita (fonte: Diário de S. Paulo) | Data: 6/12/2013

Por Profª Cristiana de Barcellos Passinato

“Fernanda Montenegro, reconhecimento internacional” de @Gabriel_Chalita

7b3fa6bb39fdf905dbfaf8d43cbd23ab[1]Fernanda Montenegro é uma dama da arte. Seu legado são as atuações inesquecíveis no teatro, na TV e no cinema. E mais ainda. Mulher, mãe, cidadã brasileira.

Lembro-me de quando Fernanda foi convidada para ser ministra da cultura e lembro-me de seu desprendimento. Agradeceu, respeitosamente, e disse que seu ofício deveria ser exercido, com dignidade, em defesa da arte e da sensibilidade. Seu lugar era no palco. E, no palco, ela comoveu, moveu, emocionou. Emociona.

O mundo conheceu seu talento, com a escrevedora de cartas, Dora, em “Central do Brasil”, filme que lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor atriz. O Brasil já a conhecia bem. Já sabia que a menina que nasceu em uma família simples, no subúrbio do Rio de Janeiro, era capaz de fazer rir e fazer chorar. Era capaz de trazer verdade à sua atuação. Filha de um mecânico e de uma dona de casa, Fernanda nunca hesitou em trabalhar e em se dedicar, com intensidade, a cada trabalho.

Prêmios, ela já recebeu aos montes. Mas o prêmio maior é ser uma referência de competência e de entrega em cada personagem que vive. Sim, ela é única. É inteira no que faz.

Agora, nossa dama recebe o Emmy Internacional – o Oscar da televisão – por sua atuação na série “Doce Mãe”. Fernanda tem 84 anos de idade. E é uma menina. Pacto com os deuses do teatro, talvez. Pacto com sua essência. Trabalhar corretamente. Viver corretamente. Esses são os segredos de uma vida boa. Evidentemente, há pedras nessa jornada, há desilusões, há erros, mas – acima de tudo – há sonho. Um artista vive do sonho, do êxtase e do êxodo. O êxtase é o encantamento, a elevação, a sensibilidade. O êxodo é a saída. A partida de si mesmo para repartir-se em tantas partes e, em tantos, deixar uma esperança.

Em um mundo tão carente de referenciais positivos, é preciso aplaudir, reverenciar, reconhecer o talento de nossa grande dama.

Fernanda Montenegro, receba nossa gratidão. Sem arte, a vida seria menor.

Por Gabriel Chalita (fonte: Diário de S. Paulo) | Data: 29/11/2013

Por Profª Cristiana de Barcellos Passinato

“Consciência negra: leis, ações, intenções” de @gabriel_chalita

7b3fa6bb39fdf905dbfaf8d43cbd23ab[1]Talvez, um dia, não precisemos mais de um “dia da consciência negra”. Talvez, um dia, o sonho de Luther King – “Eu tenho um sonho. O sonho de ver meus filhos julgados por sua personalidade, não pela cor de sua pele” – realize-se nas leis, nas ações e nas intenções das pessoas.

Nas leis, evoluímos muito. Não se tolera, no Brasil, nenhum tipo de racismo, de discriminação ou de preconceito. O princípio da igualdade, entre outros, exige que não tenhamos cidadãos de primeira e de segunda classe, sob nenhuma razão. Aliás, não há razão alguma para que alguém se sinta superior ao seu semelhante.

Um outro sonhador, Mandela, nos ensina que: “Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar”.

Ninguém nasce preconceituoso, portanto. Ninguém nasce intolerante. Ninguém nasce para fazer o mal. A reflexão sobre a consciência negra é uma reflexão sobre o respeito. Respeitar o outro me ajuda a viver melhor. É preciso olhar para o passado e ter a consciência do que sofreram nossos irmãos, que ajudaram a construir a nossa identidade. É preciso relembrar os horrores da escravidão para que fatos como esses nunca mais se repitam. É preciso educar as crianças para que elas compreendam o significado da palavra respeito e a beleza do conceito das diferenças. As diferenças não podem ser convertidas em desigualdades; ao contrário, são a prova da genialidade do Criador que nos fez únicos. Unicamente para que nos completemos. E só nos completamos quando compreendemos quem somos e quem são nossos irmãos de jornada.

É da jornada de Zumbi e de Dandara que nos lembramos nessa semana. Líderes que trocaram a vida pelo sonho de que, um dia, não precisaríamos mais falar sobre consciência negra. Ainda precisamos. Ainda há ações a serem feitas para que as intenções sejam sempre corretas.

Por Gabriel Chalita (fonte: Diário de S. Paulo) | Data: 22/11/2013

Por Profª Cristiana de Barcellos Passinato